A Luz, a Lâmpada e a Marca de Querosene JACARÉ

1 – Meu Brasil Brasileiro, a Luz Elétrica e o Querosene Jacaré

Eu não nasci numa cidade, nem num hospital. Não havia médico e quem ajudou no meu nascimento foi uma parteira.

Eu nasci na roça, na área rural, mais especificamente em uma casa de sítio, uma casa isolada no meio de um roçado de milho e café, no ano de 1953. Minha família tinha como vizinho apenas a casa do meu avô materno. Não tínhamos nenhuma ideia do que era a tal da Luz Elétrica. Usávamos velas, lamparinas e lampiões à base de querosene (um líquido derivado do Petróleo, como a gasolina)  para iluminar a casa.

(1)- Lamparina à Óleo - anos 60 –(2)- Lamparina à querosene - anos 50 e 60- (3) – Mulher levando a Lamparina para quarto. (5) Lampião à querosene – anos 60 - (6)- Lampião a Gás - anos 60 e 70.

(1)- Lamparina à Óleo - anos 60 –(2)- Lamparina à querosene - anos 50 e 60- (3) – Mulher levando a Lamparina para quarto. (5) Lampião à querosene – anos 60 - (6)- Lampião a Gás - anos 60 e 70.

(1)- Lamparina à Óleo – anos 60 –(2)- Lamparina à querosene – anos 50 e 60- (3) – Mulher levando a Lamparina para quarto. (5) Lampião à querosene – anos 60 – (6)- Lampião a Gás – anos 60 e 70.

Quando fiz quatro anos de idade, vi pela primeira vez a tal da luz elétrica, quando fomos à cidade. Lá, fiquei sabendo o que era um poste de luz elétrica e pude ver as ruas e as casas com suas luzes acesas. Aquilo era maravilhoso.

Depois percebi que minha tia, que morava na cidade, tinha outros confortos, como um fogão e uma geladeira.

Na nossa casa o fogão era à lenha e, na cidade, eu pude ver o fogão à gás da minha tia e também a geladeira  à querosene. A marca do querosene que minha tia usava era JACARÉ, a mesma que usávamos nas lamparinas.

Pude ver a admiração da minha mãe diante daqueles objetos de desejo: fogão e geladeira. Meu tio explicou ao meu pai que, morando na roça, não poderíamos ter aquelas coisas. E disse que devíamos mudar para a cidade. Quando eu completei cinco anos de idade, já morava na cidade de Álvares Florence, pertinho de Votuporanga, Estado de São Paulo.

Depois, no final dos anos 50, minha família mudou-se para Palmeira d`Oeste, também Estado de São Paulo, quase na barranca do Rio Paraná, fronteira com o Estado do Mato Grosso e Minas Gerais. Palmeira era uma cidade que vivia em função da luz do Sol. Não havia luz elétrica e todos iam muito cedo para a cama. Lá pelo ano de 1963 a cidade recebeu a iluminação pública, através de um gerador à óleo, que era ligado no final do dia e desligado às 10 horas da noite. Foi uma baita evolução. Depois, em 68, chegou a iluminação pública definitiva.

Até 1968, não eram muitas as cidades do Estado de São Paulo que tinham luz elétrica. Aprendíamos no Grupo Escolar que o genial norte-americano Thomas Alva Edison havia inventado a LÂMPADA em 21 de outubro de 1879, mas não sabíamos quase nada sobre a Energia Elétrica e nem desfrutávamos dos seus benefícios.  Sabíamos também que, antes da luz elétrica, os homens usavam velas, lamparinas e lampiões abastecidos com óleo de baleia ou querosene.

Até 1968 havia apenas um Posto de Gasolina na cidade e bem poucos carros. Era o Posto ESSO, que vendia gasolina ESSO para os carros e vendia querosene JACARÉ para quase todas as famílias da cidade. Eu achava estranho, mas o Posto de Gasolina também vendia fogões bem simples, da marca JACARÉ. Todas as casas que tinham geladeiras, compravam querosene JACARÉ para abastecê-las. Muitas famílias também tinham fogão à querosene. E o querosene que todos conheciam e compravam era da marca JACARÉ, pois não havia outra marca.

2 – A STANDARD OIL e o querosene da Marca JACARÉ.

foto3

Querosene JACARÉ, um produto sem concorrentes, até que o Brasil cria a PETROBRAS para competir com as empresas de Petróleo: O PETRÓLEO É NOSSO (slogan que os políticos do PARTIDO TOTALITÁRIO iriam levar às últimas consequências…)

foto4

Muitos anos depois, ouvi “FOGÃO JACARÉ” citado por João Bosco na canção OS BOIAS FRIAS:

“Os boias frias, quando tomam umas biritas
Espantando a tristeza sonham, com bife à cavalo, batata frita
E a sobremesa é goiabada cascão, com muito queijo, depois café
Cigarro e o beijo de uma mulata chamada Leonor, ou Dagmar
Amar, um rádio de pilha um fogão JACARÉ a marmita
O domingo no bar, onde tantos iguais se reúnem
Contando mentiras prá poder suportar aí,
São pais de santos, paus de arara, são passistas
São flagelados, são pingentes, balconistas
Palhaços, marcianos, canibais, lírios pirados
Dançando, dormindo de olhos abertos
À sombra da alegoria dos faraós embalsamados”.

João Bosco cantando:

Fui recuperar coisas da marca JACARÉ e achei um bocado:
JACARÉ era a marca do querosene americano do homem mais rico do mundo, John Rockefeller. O petróleo foi descoberto na Pensilvânia, nos Estados Unidos, no ano de 1859.  E Rockefeller foi o empresário que se destacou na área, criando a STANDARD OIL COMPANY em Ohio, a primeira grande refinaria do mundo.

(1)John Davison Rockefeller- (2) Principal refinaria da Standard Oil, em Ohio, que em 1897 funcionava 24 horas. Por aqui, em 1953, foi criada a PETROBRAS e, no ano de 2016, a presidenta caiu com seu PARTIDO TOTALITÁRIO, sem conseguir terminar as refinarias de Pernambuco e do Rio de Janeiro.

(1) John Davison Rockefeller- (2) Principal refinaria da Standard Oil, em Ohio, que em 1897 funcionava 24 horas. Por aqui, em 1953, foi criada a PETROBRAS e, no ano de 2016, a presidenta caiu com seu PARTIDO TOTALITÁRIO, sem conseguir terminar as refinarias de Pernambuco e do Rio de Janeiro.

Na época, descobriu-se que o querosene era muito melhor e mais barato para gerar iluminação do que o óleo de baleia. As cidades americanas estavam crescendo e a iluminação era uma necessidade que Rockefeller passou a atender e acabou por dominar todo o setor.

Rockefeller fornecia querosene para todas as cidades americanas. Era um empresário destemido e determinado: quando as ferrovias o ameaçaram com cobranças de frete muito caras pelo transporte dos galões de querosene entre as várias cidades americanas, ele enfrentou o monopólio das ferrovias inventando o oleoduto. Com isso, passou centenas e milhares de dutos por todos os Estados Unidos e liberou-se da dependência do transporte ferroviário. Agora o querosene corria pelos canos por todo o país.

Rockefeller, com isso tudo, ficou muito rico. Isso ocorreu até quando Thomas Edison inventou a Lâmpada e os meios de transmitir energia elétrica do ponto A para o ponto B.

Não foram os políticos que trouxeram a Luz. Foram os inventores, como Thomas Edison.

Não foram os políticos que trouxeram a Luz. Foram os inventores, como Thomas Edison.

A Luz elétrica ameaçou o império de Rockefeller, mas ele se reinventou novamente destilando ainda mais o Petróleo indo mais além do Querosene e praticamente inventando a Gasolina, que iria dominar a Indústria Automobilística.

Mas Rockefeller ainda ganharia muito dinheiro, no mundo todo, com o seu Querosene, aqui no Brasil distribuído pela ESSO, com a Marca JACARÉ, que era um dos Bichos no qual os brasileiros gostavam de apostar.

A Light chegou ao Brasil ainda no século XIX, mas apenas nas duas capitais, Rio e São Paulo.  A iluminação pública  mesmo ainda não chegou em todo o país. Ainda temos cidades e regiões sem a tal da Luz eletrica, como era em Palmeira d`Oeste até 1968.

De repente, me perguntei se as pessoas associam Querosene a Luz Elétrica?  Tive dúvidas sobre isso, mas o fato é que tanto um Querosene quanto Luz Elétrica são ligados a algo mais básico: ENERGIA!

E me perguntei mais: será que alguém nos dias de hoje, consegue imaginar o mundo sem a Iluminação elétrica?

Alguém, nos dias de hoje, conseguiria imaginar NEW YORK sem suas luzes. Ou PARIS, a cidade luz, sem luz?

Alguém, nos dias de hoje, conseguiria imaginar NEW YORK sem suas luzes. Ou PARIS, a cidade luz, sem luz?

Mas, nos anos 50 e 60, havia o PRODUTO QUEROSENE e já havia a PROPAGANDA do QUEROSENE JACARÉ. Mesmo sem concorrência, a empresa sabia que precisava educar o consumidor e criar familiaridade com a marca.

Clique aqui e veja o comercial de TV do Querosene JACARÉ, dos anos 50:

Apesar disso, agora já no ano de 2017, ainda vejo empresários brasileiros questionando se devem ou não investir em Propaganda e, fazer o quê, às vezes acabo rindo desse tipo de coisa.

Digo a eles que, no século XIX, Rockefeller não queria apenas vender. Queria ser o maior do mercado e ter a vantagem dos lucros proporcionados pela escala. E mesmo sem competidores ele investia em Propaganda, porque queria que todos conhecessem suas marcas e que todos desejassem comprar seus produtos. E finalizo dizendo que Rockefeller morreu muito rico. Que ele não conseguiu gastar todo o dinheiro que ganhou, mesmo DOANDO muito dinheiro para a construção de bibliotecas e faculdades em diversas cidades dos Estados Unidos.

JACARÉ atualmente é marca, conceito e objeto de MODA, além de estar ligado à preservação.

JACARÉ atualmente é marca, conceito e objeto de MODA, além de estar ligado à preservação.

Hoje, a marca JACARÉ tem outros significados, como podemos ver nas marcas mais lembradas onde aparece o famoso animal, mas nos anos 50 a palavra JACARÉ era sinônimo de Querosene e brasileiros adoravam apostar no JACARÉ com os números 57, 58, 59 e 60.

______________________________________________________________________________________________________________

Texto de: Augusto Nascimento, Consultor de Branding e Marketing da Innovax-BBI Consultoria, do Grupo BBI. Ficam autorizadas cópias para fins de divulgação um-a-um (exceto publicação), desde que citado este site como fonte, bem como o autor do artigo. Para contatar o autor, ligue para (11) 2338.4939 ou então envie mensagem através do formulário deste site.